Filmes

Uma Beleza Fantástica

poster2-25
Imagem: Reprodução

Faz tempo que não escrevo sobre filmes aqui, então resolvi escrever sobre esse maravilhoso filme que achei na Netflix.

Uma Beleza Fantástica (This Beautiful Fantastic), trás a história de Bella Brown (Jessica Brown Findlay), uma jovem  reclusa que sonha em se tornar escritora  de livros infantis, morando ao lado de um vizinho nada simpático, o viúvo Alfie Stephenson (Tom Wilkinson) que iniciam uma amizade completamente inesperada.

MV5BZjNjOTM2NDAtOWU2NC00YWM0LWI1Y2ItYWJiYWYzOGQ5MTIwXkEyXkFqcGdeQXVyMTkxNjUyNQ@@._V1_
Imagem: IMDB

É muito fácil você se conectar com os personagens nesse filme, cada um tem sua peculiaridade que os tornam interessantes pela maneira de como se conectam mesmo sendo uma história simples. Fiquei apaixonada pela protagonista que trabalha numa biblioteca, embora tenha uma chefe nada simpática, é nos livros que em Bella encontra seu refúgio.

Agora uma coisa que me pegou de surpresa nesse filme foram a presença de dois dos meus atores favoritos! O lindo e maravilhoso Andrew Scott, o Moriaty da série Sherlock, sendo todo fofo e prestativo com Bella Brown, que embora seu personagem (Vernon) não tenha muito destaque, ele cumpre muito bem seu papel sendo o alívio cômico na trama.

tumblr_oc75s39eqY1uls29go2_1280
Gif: Andrew Scott Source Tumblr

Já  Jeremy Irvine, meu outro ator favorito, também está presente no filme como interesse romântico de Bella, que até se saí bem como o atrapalhado inventor Billy, mas devo confessar aqui que achei a química de Bella mais interessante com Vernon do que com Billy.

tumblr_omohqxGE7C1w73n5ao2_540.gif
Gif: Gramunion

Os aspectos técnicos do filme são maravilhosos, o figurino da Bella é lindíssimo com cores neutras e escuras ressaltando bem o seu transtorno obsessivo compulsivo e sua personalidade introvertida. A fotografia e direção de arte também fazem um ótimo trabalho, deixando o tom do filme com aspecto de conto de fadas mas sem pesar a mão nas cores e no ar fantasioso da trama.

Se você gostou de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain), com certeza irá amar esse filme. Impossível não os achar semelhantes, até porque a protagonista é muito semelhante a Amélie em vários aspectos, mas isso não desmerece o filme porque acredito eu que ambos cumprem bem as suas propostas de contar uma história inspiradora, tocante e divertida.

Confira o trailer:

Já assistiu? Se sim, não esqueça de deixar um comentário!

Até o próximo post!

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter

Livros

Em Algum Lugar Nas Estrelas

DSC_7080

Antes de escrever essa resenha quero deixar aqui meu agradecimento especial para Rachel fofíssima que me deu de presente esse livro maravilhoso! Menina, muito obrigada por me surpreender assim num dia que não estava indo bem e de repente ver um pacote cheio de amor e carinho aqui em casa, fez o dia terminar de uma maneira melhor! ❤

Em Alguns Lugar Nas Estrelas de Clare Vanderpool, foi publicado em 2016 pela editora que faz as capas e acabamentos mais lindos do Brasil, a DarkSide Books. A história de começa ao final da Segunda Guerra Mundial, com aquele sentimento de tristeza pelas perdas causadas por esse trágico evento da história da humanidade, Jack Baker de apenas 13 anos que vivia numa vida simples e pacata no Kansas, perde sua mãe e por não ter contato com seu pai acaba indo parar na Escola para Meninos Morton Hill no Maine.

Nessa escola, Jack conhece Early Auden um garoto de uma personalidade estranha e com uma fascinação com o número Pi, tornam-se amigos e decidem driblar o recesso de natal para ficar escondidos na escola. Então, os dois decidem embarcar numa aventura inusitada de barco pelo rio, porque Early acredita o número Pi está vivo e perdido numa floresta no Maine. Sustentando essa ideia maluca, os dois saem para uma jornada de auto conhecimento e companheirismo, com uma dose de fantasia que emociona o leitor do começo ao fim.

Os personagens são distintos mas essa diferença é o que une. Enquanto Jack é um menino cético, Early deixa sua imaginação fluir e se torna o personagem que mais cativa na história, pois nós queremos abraçá-lo e guardá-lo num potinho. Esse livro trás o resgate do universo infantil em busca de uma aventura que venha trazer as respostas para aquilo que estão procurando. É o acreditar que nada impossível quando não se está só, que há alguém com você por mais louca que as suas ideias se pareçam, para te ajudar e ao mesmo tempo se encontrar em meio a tantos desastres da vida.

A escrita da Clare é super fluída, você vai acompanhando o Jack narrando as peculiaridades de Early que te deixa curioso para saber mais e mais onde essa história quer chegar. E também uma outra narrativa dentro da história, que a princípio você acha que não tem nada haver com a trama principal, mas que chegando ao fim ela se encaixa perfeitamente com a metáfora que autora trás para história.

Em Algum Lugar Nas Estrelas é aquela simples história de dois amigos que saem numa aventura mas que acerta ao criar personagens carismáticos e reais que pode emocionar, encantar e fazer chorar até os mais cético dos leitores.

NOTA:5/5  e favorito do ano!

Se a minha resenha não te convenceu a ler o livro, deixo aqui esse vídeo com a resenha da Raquel Moritz do Pipoca Musical, que conseguiu expressar tudo aquilo que não consegui escrever aqui!

 

Até o próximo post!
Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter

Livros

PS: Ainda Amo Você

DSC_7060

Antes de começar ao post deixo aqui avisado que este post está com spoilers do livro, se você não leu ainda, corre para ler e depois volta aqui para me contar o que achou, ok?

 Lara Jean está de volta à escola e num relacionamento de verdade. Tudo parece normal até que o quinto crush da suas cartas, John Ambrose McLaren, aparece na escola atrás dela balançando o coração da moça.

Segundo livro é aquele que sempre fico com um pé atrás. Ou ele vem para resolver os problemas deixados para trás no livro anterior ou ele vem pra deixar leitor entendiado com uma narrativa enrolada, PS: Ainda Amo Você foi um pouco dos dois termos. Mesmo com essas oscilações na narrativa (às vezes ia muito devagar perdendo tempo com coisas que não são relevantes), Lara Jean se sai bem no quesito em resolver os problemas deixados para trás, como a sua briga com sua irmã Margot e a relação das suas deixou de ser aquela de que a irmã mais velha cuidava de tudo e se tornando uma relação de cumplicidade entre as duas. Kitty, a irmã mais nova, também continua sendo uma das personagens mais querida e adorada pelo seu jeito desbocado. Teve uma situação em que bati palmas para Kitty, que foi quando ela permaneceu ao lado de Lara Jean firme e forte, protegendo a irmã de um momento de briga com Peter Kavinsky. Realmente Kitty cresce muito no decorrer da história e até em alguns momentos, ela se torna a voz da razão para Lara Jean. Outro momento bom da história, foi adição do emprego de Lara Jean no asilo, onde conhecemos uma espirituosa senhora chamada Stormy que garante boas risadas nas suas cenas, se tornando outra personagem bem interessante e divertida.

Agora Peter Kavinsky, não sei o que aconteceu mas querido perdeu o encanto comigo nesse segundo livro, a aproximação dele com a Genevieve me irritou um pouco fazendo com que as cenas de ciúmes entre eles ficassem cansativas e repetitivas. John Ambrose McLaren, o último a receber a carta, resolve aparecer para colocar dúvidas na cabeça da nossa jovem protagonista que movida por insegurança acaba se envolvendo com ele, e que devo confessar eu estava torcendo para dar certo porque ele teve mais presença e relevância na narrativa do que Peter. Mas ao chegar na reta final, Jenny Han conserta esse deslize e Lara Jean desperta e finalmente decide quem é realmente o dono do seu coração.

Jenny Han continua escrever com delicadeza a descoberta de amores de Lara Jean passando levemente por temas como bullying, família e amizade nessa fase adolescente. Junto com a protagonista vamos refletindo porque acabamos nos afastamos das pessoas por bobagens ou porque simplesmente vamos perdendo o contato a medida que vamos crescendo. Uma coisa que eu mudaria na trama, seria a rivalidade entre Lara Jean e Genevieve que eu achei um tanto banal. Acho que rivalidades entre garotas por causa de garotos deveria acabar e até estava esperando uma atitude madura por parte de Lara pois ela estava se desenvolvendo bem, mas nessa parte deixou um pouco a desejar. Até dá para tolerar se você se lembrar que se trata de um drama adolescente, mas Jenny Han podia mostrar aos leitores (principalmente para as meninas) que essas rivalidades são desnecessárias e que dá para ambas viverem em perfeita harmonia.

NOTA:4/5

Estou curiosíssima para saber o desfecho da história de amor de Lara Jean dê certo. O terceiro livro Agora e Para Sempre, Lara Jean já foi lançado pela editora Intrínseca e está com boas avaliações no Skoob o que me deixa ainda mais empolgada para ler o final dessa fofíssima história de amor! ❤

Já leu? Conta o que achou nos comentários!

ATUALIZAÇÃO: Para Todos Os Garotos Que Já Amei vai virar filme! Semana passada saiu a notícia e já temos um elenco formado: Lara Jean será interpretada por Lara Condor a Jubileu de X-Men: ApocalipseAnna Cathcart será Kitty, Janel Parrish interpretará a Margot! Confira a primeira foto das irmãs Song!

DFSODUBV0AADpom
Imagem: Reprodução

De acordo com site da Intrínseca o filme começa a ser gravado no Canadá mais ainda não tem data de estreia definida.

Quem aí está empolgado para o filme?

Até o próximo post! ❤

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter

Filmes · Seriados/ Programas de TV

“Minimalism” – Um Documentário Sobre As Coisas Importantes

ftc-documentarios-netflix-minimalism

“Minimalism – Um Documentário Sobre As Coisas Importantes” conta as histórias de Joshua Millburn e Ryan Nicodemus, ambos bem sucedidos e ocupando grandes cargos em empresas, decidiram mudar de vida e adotar assim o estilo de vida Minimalista. O documentário conta toda a trajetória desses dois amigos que criaram o site The Minimalists onde mostra o que é esse novo estilo de vida e como qual impacto que tem na vida das pessoas.

Menos é mais

Você já deve ter ouvido essa frase em algum momento da sua vida e não foi nas aulas de matemática. O minimalismo é um estilo de vida que nada contra maré do consumismo ou melhor dizendo do consumismo compulsivo. Como somos bombardeados de informações e propagandas por todos os lados, estamos criando uma geração onde o ser se colide com o ter, fazendo que venhamos consumir cada vez mais coisas que na maioria das vezes não precisamos.

Não é sobre jogar todas as suas coisas fora e virar hippie, mas perceber qual o significado dessas coisas tem pra você, se é realmente útil. É você refletir sobre aquilo que você acha que é necessário para você viver e qual valor e significado essas coisas tem pra você.

E o que me chamou mais atenção em todo esse documentário é sobre o fato da estado físico e mental das pessoas de como tudo em excesso nos deixa doentes e presos num ciclo que nem percebemos. Há uma geração de pessoas doentes que se tornam reféns das próprias contas, tudo para parecer cool nas redes sociais, com coisas legais, lugares legais e por aí vai…

É nítido a mudança de semblante das pessoas que adotaram esse estilo de vida, um jeito feliz, calmo e tranquilo de gente que nunca achou que um dia iria sentir essa paz de espírito. Um dos depoimentos mais interessantes, com certeza é o de Joshua, que perdeu sua mãe e se divorciou de sua esposa no mesmo mês no ano de 2009. Completamente desolado e desmotivado com tudo que aconteceu, Joshua começou a observar que nada das suas coisas agregavam valor a sua vida e decidiu mudar tudo o que tinha, desde a casa onde ele morava e até o momento que ele tinha para aproveitar seu dia. A mudança foi tão nítida que até seu amigo Ryan decidiu adotar ao minimalismo e hoje os dois amigos viajam pelo mundo contando como foi todo o processo de mudança para a filosofia minimalista.

O documentário completo está disponível na Netflix.

Não sou adepta a nenhum estilo de vida, mas devo confessar que esse me chamou bastante atenção para pensar melhor sobre a importância e influência que o consumo tem na minha vida. Acho que todos nós devemos ter uma consciência de onde esse consumismo todo pode nos levar e que futuro nós queremos ter daqui por diante, se é algo que nos deixe presos ao sistema ou algo que nós de qualidade de vida.

Caso você esteja bastante pensativo sobre o assunto, e pensa em adotar um dia ao minimalismo, deixo aqui uma indicação do canal da Marieli Mallmann que fala desde o estilo de vida e até moda e decoração minimalista.

E aí gostou do post? Não esqueça de deixar um comentário!

Até a próximo post, folks! ❤