Livros

Pra Falar do Meu Amor: Pablo Neruda

Oi, oi, oi gente! Quero já de início falar pra vocês o quanto esse post é especial pra mim. ❤ Pablo Neruda é um dos poetas mais marcantes na minha trajetória, desde que o conheci na sua irreverente obra Cem Sonetos de Amor. Depois desse livro, nunca mais parei de colecionar obras do autor.

Por conta disso, resolvi compartilhar com vocês alguns dos meus poemas favoritos. Espero que gostem!

_DSC0012

Foto: Daniela Farias

O primeiro deles chama-se  Integrações e faz parte da obra O Coração Amarelo (Póstuma):

Integrações

Depois de tudo te amarei
Como se fosse sempre antes
Como se de tanto esperar
Sem que te visses nem chegasses
Estivesses eternamente
Respirando perto de mim.

Perto de mim com teus hábitos,
Teu colorido e tua guitarra
Como estão juntos os países
Nas lições escolares
E duas comarcas se confundem
E há um rio perto de um rio
e crescem juntos dois vulcões.

Perto de ti é perto de mim
E longe de tudo é tua ausência
E é cor de argila a lua
Na noite do terremoto
Quando no terror da terra
juntam-se todas as raízes
e ouve-se soar o silêncio
com a música do espanto.
O medo é também um caminho.
E entre suas pedras pavorosas
Pode marchar com quatro pés
E quatro lábios, a ternura.

Porque sem sair do presente
Que é um anel delicado
Tocamos a areia de ontem
E no mar ensina o amor
Um arrebatamento repetido.

_DSC0002

Foto: Daniela Farias

Saudade

Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas o amado já…

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida…

Saudade é sentir que existe o que não existe mais…

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam…

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.

_DSC0008

Foto: Daniela Farias

Quase pirei quando encontrei este exemplar de “POESIE D’AMORE E DI VITA”  em um sebo aqui perto da minha cidade. A edição é bilíngue (Espanhol – Italiano) e foi uma ótima pedida pra praticar um pouco mais desses dois idiomas que são tão lindos.

Pra encerrar, deixo aqui um trecho e um último poema de uma das obras mais marcantes do poeta:

Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada.

“Dois amantes felizes não têm fim nem morte, nascem e morrem tanta vez enquanto vivem, são eternos como é

a natureza.”

Poema XII

Para meu coração basta-me teu peito,

para tua liberdade basta, minhas asas.

 De onde minha boca chegará até o céu

o que estava entorpecido sobre tua alma.

É em ti a ilusão de cada dia.

 Chegas como o orvalho das corolas.

 Socava o horizonte com tua ausência.

Eternamente em fuga como a onda.

Eu falei que cantavas com o vento

como os pinheiros e como os mastros.

Como eles é alta e taciturna.

E entristeces de pronto, como uma viagem.

Acolhedora como um velho caminho.

Te povoam ecos e vozes nostálgicas.

Eu despertei e às vezes migraram e fugiram

os pássaros que adormeciam em tua alma.

🙂

E com isso só me resta dizer que os corações leves entenderão Neruda. Que a poesia é como toda a forma de arte que nos salva da vida, já que ela por vezes, não dá conta de si mesma.

Sobre o Poeta:

PABLO-NERUDA   Pablo Neruda, pseudônimo de Ricardo Eliécer Neftalí Reyes  Bosoalto (1904 – 1973), nasceu na cidade de Parral no Chile. Filho de um ferroviário e de uma professora, ficou órfão de mãe logo no seu primeiro mês de vida. Na adolescência adota o pseudônimo Pablo Neruda em homenagem ao escritor tcheco Jan Neruda, utilizando- o ao longo de sua vida e tornando- o legal  após a alteração de seu nome civil.

Sua obra é lírica, plena de emoção e marcada por um acentuado humanismo.Publicou seu livro de estreia com apenas 20 anos, Crepusculário (1923) porém, sua fama  tornou-se maior com a publicação de Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada. (1924).
Em 1971, Neruda recebeu o Prêmio Nobel de Literatura e o Prêmio Lênin da Paz. Antes havia sido agraciado com o Prêmio Nacional de Literatura (1945).

No dia 23 de setembro de 1973  morre, vítima de câncer na próstata, na Clínica Santa Maria de Santiago, no Chile.

Obras de Pablo Neruda

Crepusculario
Veinte Poemas de Amor y Una Canción Desesperada
Tentativa del Hombre Infinito
El Habitante y su Esperanza (Novela)
Residencia en la tierra (1925-1931)
España en el corazón. Himno a las glorias del pueblo en la guerra: (1936- 1937)
Tercera Residencia (1935-1945)
Canto General
Todo el Amor
Las Uvas y el Viento
Odas Elementales
Nuevas Odas Elementales
Tercer libro de las odas
Estravagario
Cien sonetos de amor (Cem Sonetos de Amor)
Navegaciones y Regresos
Poesías: Las piedras de Chile
Cantos Ceremoniales
Memorial de Isla Negra
Arte de Pájaros
La Barcaola.
Las manos del día
Fin del mundo
Maremoto
La espada encendida
Invitación al Nixonicidio y alabanza de la revolución.

Esse foi o post de hoje! Espero que tenham gostado. Me contem nos comentários se vocês já conheciam o poeta, o que pensam sobre sua poesia e quais as suas favoritas. A opinião de vocês é muito importante pra nós.

Até a próxima!

Beijos da Angel

Anúncios

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s