Filmes · Livros

Antes Que Eu Vá | LIVRO E FILME

DSC_8344-11

Sexta-feira, 12 de Fevereiro.

Um dia que deveria ser aparentemente normal para Samantha Kingston, torna-se um dia sem um amanhã. Após um acidente de carro, Sam passa reviver várias vezes o dia de sua morte e presa nesse looping temporal, ela tenta descobrir o motivo de sua vida ter chegado ao fim.

Antes Que Eu Vá é um livro da autora Lauren Oliver, a mesma da trilogia Delírio  publicados pela Editora Intrínseca, e ganhou uma versão em filme lançado aqui no Brasil em Maio deste ano e é sobre essas duas versões da história de Samantha que irei rcontar um pouco do que achei para vocês agora.

O LIVRO 

Como já mencionado anteriormente, Sam é uma jovem de 17 anos, que tem como suas melhores amigas as populares Lindsay, Elody e Ally que me lembraram um pouco do quarteto do filme Meninas Malvadas devido a mesma premissa da história, com as meninas populares praticando bullying com a “esquisitona” do colégio, a Juliet Sykes.

As personagens são bem construídas, bem próximas a realidade adolescente. Como o livro trás somente a perspectiva de Sam é interessante observar o outro lado o de quem pratica o bullying e os motivos que levaram  ela se comportar dessa forma, seja por ascensão social ou por motivos banais que poderiam ter sido resolvidos de outra maneira e por isso, temos que nos lembrar aqui que estamos lhe dando com adolescentes e que a cabecinha nessa idade funciona de forma diferente.

A protagonista tem um desenvolvimento um tanto quanto lento, que acredito que seja culpa da narrativa, pois ela vive várias vezes o mesmo dia, o que torna a leitura um tanto quanto cansativa, apesar da escrita de Lauren ser muito boa de um jeito poético e cheio de metáforas. Abordagem da história em si não se trata apenas de bullying, mas sim reflexões sobre a vida e a morte o que eu achei algo muito forte e interessante para uma jovem adolescente passar por isso, pois ela ainda não tem um certo entendimento sobre a vida.

O que me fez não gostar tanto assim do livro foi o fato de que achei que a Sampagou os pecados‘ por algo que realmente não era tão sua culpa, sendo que ela era a mais inocente do grupo. A personagem Lindsay (a Regina George do grupo), foi a principal motivadora de diversos problemas causados na vida de Juliet, Sam e outros personagens pela sua prepotência e seu jeito egoísta, o que me fez achar um tanto quanto injusto. Se eu tivesse escrito o livro, com certeza teria dado um final diferente ou talvez dado continuidade a história para saber como ficou esses personagens após a morte de Sam.

Nota: 3/5

O FILME

O filme é estrelado por Zoey Deutch (Acadêmia de Vampiros), vivendo a Sam Kingston,  Halston Sage como Lindsay EdgecombElena Kampouris como Juliet Sykes.

Bom, o filme também não me agradou tanto quanto o livro. O roteiro é muito mal construído houve a  falta de profundidade de profundidade nos personagens, principalmente da relação Lindsay e Juliet que é algo super importante e aprofundado no livro, sendo tratado de uma maneira tão rápida que nem deu tempo para criar aquela conexão com espectador. Já Sam parece menos ousada em relação a Sam do livro, deixando passar batido o desenvolvimento da protagonista em relação ao que está acontecendo na sua vida, apesar do esforço de Zoey tentar dar um pouco mais de profundidade para sua atuação.

Apesar das ressalvas do filme, a fotografia é bem bonita e elaborada puxando para os tons de azul dando aquela sensação de tristeza, mistério e com ambientações lindíssimas da cidade de Vancouver no Canadá. O filme também trás uma trilha sonora bem legal e jovial, que mostra um pouco do estilo musical das meninas e  você pode ouvir no Spotify.

E antes de encerrar o post, quero deixar o meu super agradecimento para Rachel linda e maravilhosa que me presenteou mais uma vez! Fiquei muito surpresa e emocionada com sua cartinha e o seu carinho, muito obrigada mesmo! ❤

Ah já ia esquecendo de comentar que o livro com a capa da versão do filme, trás dois contos inéditos antes dos acontecimentos da tragédia de Sam e também conta com entrevistas com o elenco do filme.

Você já leu o livro? Gostou? Deixe os nos comentários abaixo!

Espero que tenham gostado e até o próximo post!

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter 

Anúncios
Livros

Garota, Interrompida

DSC_8268.jpg

Susanna Kaysen de apenas 18 anos, é internada no hospital psiquiátrico McLean e lá permanece pois dois anos. No ano de 1967 nos Estados Unidos, onde passa por um período de grande mudança Susanna tem sua vida interrompida por não se encaixar nos padrões da sociedade da época.

O livro trás os relatos desses dois anos no hospital com fortes críticas a forma de como as pessoas com transtornos mentais são tratadas, em alguns casos de maneira até tensa como no caso de Alice Calais. Entre esses relatos, também temos conhecimento das histórias de Georgina, Daisy e Lisa que constroem um pequeno laço de amizade nesse ambiente de angústias e incertezas em que elas foram colocadas.

Cada uma tem sua história por de trás da sua “loucura“, seus comportamentos promíscuos e até violentos relatam uma realidade dura de onde essas meninas vieram parar ali, embora umas tenham escolhido o caminho mais sombrio outras conseguiram dar um jeito em suas vidas, mas ainda há muitas que seguiram internadas.

Susanna consegue alta do hospital e ainda reluta para manter sua personalidade limítrofe (doença da qual foi diagnosticada), de maneira controlada. A própria ainda diz que esses dois anos de interrupção na sua vida deixou grande marcas na sua maneira de pensar e na personalidade, e que é impossível não lembrar desse momento que ela passou. Escrever esse livro, foi uma maneira que ela encontrou de exorcizar seu passado.

“Dessa vez, li o título da pintura: Garota interrompida com sua música.

Interrompida em sua música: tal qual acontecera com a minha vida, interrompida durante a música dos 17 anos, tal qual a vida dela, roubada e presa a uma tela; um momento congelado no tempo mais importante que todos os outros momentos, quaisquer que fossem ou que viessem a ser. Quem pode se recuperar disso?”  – página 187

Foi quase impossível não ficar pensativa após terminar a leitura. Eu realmente me identifiquei com a personagem alguns aspectos, desde o seu questionamento sobre “o que é real?”, “o que você vai fazer da sua vida?”, “por que eu devo ser uma coisa que não quero ser?”, “como foi que a minha vida chegou nesse ponto?”. Somos levados a tomar grande decisões sobre a vida, mesmo sabendo tão pouco sobre ela. Pressão, preconceito e atitudes que levam as pessoas acharem que temos algum “probleminha” nos afetam de uma maneira que não se espera e cada um responde de uma maneira. Susanna descobriu sua resposta da pior maneira que alguém poderia encontrar.

“Vazio e tédio: é dizer pouco. O que eu sentia era uma total desolação. Desolação, desespero e depressão.” – página 174

NOTA: 3/5

Em 1999, tivemos uma versão cinematográfica desse livro que foi estrelada por Winona Ryder como Susanna Kaysen,  Angelina Jolie como Lisa Rowe que ganhou seu primeiro  Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, e Brittany Murphy como Daisy Randone.

Obviamente, livro e filme são completamente diferentes entre si afinal se trata de uma adaptação onde precisamos de uma narrativa mais elaborada para contar a história dos personagens, pois ambos são bons em suas propostas e vale muito à pena ler o livro e assistir ao filme. Também é uma ótima recomendação se você é estudante de psicologia.

Já leu, já viu o filme? Deixe um comentário abaixo, irei adorar conversar com você sobre eles!

Até o próximo post!

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter

Livros

Em Algum Lugar Nas Estrelas

DSC_7080

Antes de escrever essa resenha quero deixar aqui meu agradecimento especial para Rachel fofíssima que me deu de presente esse livro maravilhoso! Menina, muito obrigada por me surpreender assim num dia que não estava indo bem e de repente ver um pacote cheio de amor e carinho aqui em casa, fez o dia terminar de uma maneira melhor! ❤

Em Alguns Lugar Nas Estrelas de Clare Vanderpool, foi publicado em 2016 pela editora que faz as capas e acabamentos mais lindos do Brasil, a DarkSide Books. A história de começa ao final da Segunda Guerra Mundial, com aquele sentimento de tristeza pelas perdas causadas por esse trágico evento da história da humanidade, Jack Baker de apenas 13 anos que vivia numa vida simples e pacata no Kansas, perde sua mãe e por não ter contato com seu pai acaba indo parar na Escola para Meninos Morton Hill no Maine.

Nessa escola, Jack conhece Early Auden um garoto de uma personalidade estranha e com uma fascinação com o número Pi, tornam-se amigos e decidem driblar o recesso de natal para ficar escondidos na escola. Então, os dois decidem embarcar numa aventura inusitada de barco pelo rio, porque Early acredita o número Pi está vivo e perdido numa floresta no Maine. Sustentando essa ideia maluca, os dois saem para uma jornada de auto conhecimento e companheirismo, com uma dose de fantasia que emociona o leitor do começo ao fim.

Os personagens são distintos mas essa diferença é o que une. Enquanto Jack é um menino cético, Early deixa sua imaginação fluir e se torna o personagem que mais cativa na história, pois nós queremos abraçá-lo e guardá-lo num potinho. Esse livro trás o resgate do universo infantil em busca de uma aventura que venha trazer as respostas para aquilo que estão procurando. É o acreditar que nada impossível quando não se está só, que há alguém com você por mais louca que as suas ideias se pareçam, para te ajudar e ao mesmo tempo se encontrar em meio a tantos desastres da vida.

A escrita da Clare é super fluída, você vai acompanhando o Jack narrando as peculiaridades de Early que te deixa curioso para saber mais e mais onde essa história quer chegar. E também uma outra narrativa dentro da história, que a princípio você acha que não tem nada haver com a trama principal, mas que chegando ao fim ela se encaixa perfeitamente com a metáfora que autora trás para história.

Em Algum Lugar Nas Estrelas é aquela simples história de dois amigos que saem numa aventura mas que acerta ao criar personagens carismáticos e reais que pode emocionar, encantar e fazer chorar até os mais cético dos leitores.

NOTA:5/5  e favorito do ano!

Se a minha resenha não te convenceu a ler o livro, deixo aqui esse vídeo com a resenha da Raquel Moritz do Pipoca Musical, que conseguiu expressar tudo aquilo que não consegui escrever aqui!

 

Até o próximo post!
Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter

Livros

PS: Ainda Amo Você

DSC_7060

Antes de começar ao post deixo aqui avisado que este post está com spoilers do livro, se você não leu ainda, corre para ler e depois volta aqui para me contar o que achou, ok?

 Lara Jean está de volta à escola e num relacionamento de verdade. Tudo parece normal até que o quinto crush da suas cartas, John Ambrose McLaren, aparece na escola atrás dela balançando o coração da moça.

Segundo livro é aquele que sempre fico com um pé atrás. Ou ele vem para resolver os problemas deixados para trás no livro anterior ou ele vem pra deixar leitor entendiado com uma narrativa enrolada, PS: Ainda Amo Você foi um pouco dos dois termos. Mesmo com essas oscilações na narrativa (às vezes ia muito devagar perdendo tempo com coisas que não são relevantes), Lara Jean se sai bem no quesito em resolver os problemas deixados para trás, como a sua briga com sua irmã Margot e a relação das suas deixou de ser aquela de que a irmã mais velha cuidava de tudo e se tornando uma relação de cumplicidade entre as duas. Kitty, a irmã mais nova, também continua sendo uma das personagens mais querida e adorada pelo seu jeito desbocado. Teve uma situação em que bati palmas para Kitty, que foi quando ela permaneceu ao lado de Lara Jean firme e forte, protegendo a irmã de um momento de briga com Peter Kavinsky. Realmente Kitty cresce muito no decorrer da história e até em alguns momentos, ela se torna a voz da razão para Lara Jean. Outro momento bom da história, foi adição do emprego de Lara Jean no asilo, onde conhecemos uma espirituosa senhora chamada Stormy que garante boas risadas nas suas cenas, se tornando outra personagem bem interessante e divertida.

Agora Peter Kavinsky, não sei o que aconteceu mas querido perdeu o encanto comigo nesse segundo livro, a aproximação dele com a Genevieve me irritou um pouco fazendo com que as cenas de ciúmes entre eles ficassem cansativas e repetitivas. John Ambrose McLaren, o último a receber a carta, resolve aparecer para colocar dúvidas na cabeça da nossa jovem protagonista que movida por insegurança acaba se envolvendo com ele, e que devo confessar eu estava torcendo para dar certo porque ele teve mais presença e relevância na narrativa do que Peter. Mas ao chegar na reta final, Jenny Han conserta esse deslize e Lara Jean desperta e finalmente decide quem é realmente o dono do seu coração.

Jenny Han continua escrever com delicadeza a descoberta de amores de Lara Jean passando levemente por temas como bullying, família e amizade nessa fase adolescente. Junto com a protagonista vamos refletindo porque acabamos nos afastamos das pessoas por bobagens ou porque simplesmente vamos perdendo o contato a medida que vamos crescendo. Uma coisa que eu mudaria na trama, seria a rivalidade entre Lara Jean e Genevieve que eu achei um tanto banal. Acho que rivalidades entre garotas por causa de garotos deveria acabar e até estava esperando uma atitude madura por parte de Lara pois ela estava se desenvolvendo bem, mas nessa parte deixou um pouco a desejar. Até dá para tolerar se você se lembrar que se trata de um drama adolescente, mas Jenny Han podia mostrar aos leitores (principalmente para as meninas) que essas rivalidades são desnecessárias e que dá para ambas viverem em perfeita harmonia.

NOTA:4/5

Estou curiosíssima para saber o desfecho da história de amor de Lara Jean dê certo. O terceiro livro Agora e Para Sempre, Lara Jean já foi lançado pela editora Intrínseca e está com boas avaliações no Skoob o que me deixa ainda mais empolgada para ler o final dessa fofíssima história de amor! ❤

Já leu? Conta o que achou nos comentários!

ATUALIZAÇÃO: Para Todos Os Garotos Que Já Amei vai virar filme! Semana passada saiu a notícia e já temos um elenco formado: Lara Jean será interpretada por Lara Condor a Jubileu de X-Men: ApocalipseAnna Cathcart será Kitty, Janel Parrish interpretará a Margot! Confira a primeira foto das irmãs Song!

DFSODUBV0AADpom
Imagem: Reprodução

De acordo com site da Intrínseca o filme começa a ser gravado no Canadá mais ainda não tem data de estreia definida.

Quem aí está empolgado para o filme?

Até o próximo post! ❤

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter