Livros

Uma história de solidão

DSC_5600

Quando recebi esse livro do John Boyne há um tempo atrás da Editora Seguinte, achei que seria um livro no estilo A  Coisa Terrível  Que Aconteceu com Barnaby Brocket com uma pegada de O Menino do Pijama Listrado, mas me enganei. O livro Uma História de Solidão é um forma de denúncia sobre casos de pedofilia na  Igreja Católica que ocorreram no país do autor, a Irlanda.

Antes de tudo o livro não é baseado numa história real, mas poderia ser. Odran é um jovem que a pedido de sua mãe se torna padre após uma tragédia que aconteceu na família, meio que a contra gosto, o garoto segue o desejo da mãe e assim acompanhamos todo o processo que torna o protagonista a ser um padre exemplar. Em meio a esse tempo no seminário, Odran conhece Tom, outro garoto que se torna padre contra sua vontade e se identificando com ele, os dois logo se tornam amigos mas com o passar do tempo o comportamento de Tom mediante a igreja começa a ser motivo de desconfiança por parte de Odran.

Eu já havia esse lido esse livro no começo do ano, mas demorei para terminá-lo pois ele não é um livro fácil . Como se trata de um assunto bastante polêmico e delicado, foi difícil encontrar palavras para descrever essa experiência com esse tipo de temática pois o protagonista (que é um padre do bem), é muito inocente e não enxerga os abusos e problemas que estão acontecendo ao seu redor e pela narrativa não ser linear, somos levados a vários épocas da vida de Odran fazendo com que nós não nos  aproximamos tanto assim do protagonista para entender suas razões de ele agir desse jeito ingênuo.

Mas ao final quando o desfecho começa aparecer, o livro consegue transmitir aquele sentimento que só o John Boyne conhece despertar no leitor, que é a tristeza. Odran passa por tanta coisa na sua jornada de padre, o vendo ser respeitado até chegando ao período onde as pessoas o repudiam, que o protagonista começa a ter uma perspectiva de que a vida dele não foi tão boa assim e que tudo que lhe restou foi abraçar a solidão.

Apesar do tema ser interessante, Uma História de Solidão não é um dos melhores livros do John Boyne pois o ritmo lento pode te desmotivar um pouco a leitura, mas vale à pena dar uma chance para refletir e discutir sobre a pedofilia não só por parte da Igreja Católica mas em todos os lugares, que infelizmente ainda está bem presente na nossa sociedade.

NOTA:3/5

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter

Fotografia

Angélica Viana | Ensaio Feminino

Olá!

Tudo bom com vocês?

Resolvi postar as fotos de um ensaio que fiz há um tempinho a trás e do qual amei tudo. Vocês já conhecem ela, a minha linda Angélica Viana.  Resolvemos fazer um novo ensaio, porque era um novo momento e eu queria algo que não só transmitisse a renovação para ela, mas também para o meu trabalho com a fotografia.

É algo mais pessoal que mostra as diversas facetas da personalidade dela, desde algo mais intimo até ao lado sonhador, o libertador.

No dia do ensaio estava bem nublado, às vezes o sol saia até mais timidamente até que teve uma hora em que sol se abriu e gente! A expressão dela se abriu muito e saíram umas fotos de um jeitinho tão encantador que há muito tempo eu estava esperando alguém que pudesse me entregar isso.

Dias nublados são bons para bater fotos, mas nada melhor quando abre aquele sol de surpresa e deixa as fotos com essa atmosfera de liberdade e leveza que a luz de fim de tarde pode trazer.

E você, que tipo de dia você prefere tirar fotos? De manhã, finalzinho de tarde ou dias nublados?Deixa ai nos comentários!

Até o próximo post!

Livros

O Círculo de Rubi

Eis aqui o último post sobre a saga de livros que mostrou ao meu coração que ainda há amor por histórias de vampiros, o livro O Círculo de Rubi  encerra a série Bloodlines Laços de Sangue que trás o desfecho para a trama do casal Sydney e Adrian,  agora permanecendo exilados na corte Moroi  por medo dos alquimistas recapturarem Sydney e além de terem que aturar o  repúdio dos membros da corte que não aceitaram muito bem ao inesperado casamento de um vampiro com uma humana.

O livro foi lançado em 2015 pela editora Seguinte e confesso que fiquei bastante relutante para ler este livro pois, não queria me despedir dos meus personagens preferidos e também por aquele medo do final da série ser cagado. Mas até que não foi tanto assim… Mas eu esperava muito mais até porque a autora deixou um gancho enorme sobre o sequestro da Jill Dragomir, a princesa da corte Moroi, a resolver e por fim acabou sendo resolvido só nas páginas finais porque Richelle resolveu encher linguiça com outras histórias que deixou a trama rasa e arrastada.

A questão da história de Charlotte com sumiço da sua irmã Olive, tomou uma grande parte desnecessária da narrativa que me deixou bastante irritada porque afinal a história de Laços de Sangue começa tudo por causa de Jill Dragomir, ela é um dos centros da história onde começa todo desenrolar da franquia, mas parece autora esqueceu disso e colocou o foco em personagens secundários que são totalmente irrelevantes para história e também para tornar a trama Adrian mais movimentada e desprendida da história da Sydney. Acho que o foco deveria ter sido sobre a magia do espírito para descobrir os mistérios que cercam essa magia, pois nos livros anteriores temos Sonya se dedicando aos estudos sobre ela e de como usá-la de uma forma que não acabe enlouquecendo os usuários dos espírito.

A história de Sydney também tem pontos que precisavam ser explorados melhor, ao invés de ela entrar em uma batalha sem propósito com os Guerreiros da Luz. Eu queria saber mais sobre o envolvimento do clã das Bruxas e porquê Sydney é uma bruxa, nos livros anteriores vemos ela descobrir seus poderes,  deixando de ser alquimista e abraçando esse novo mundo mas o máximo que temos nesse livro é Sydney resolvendo o paradeiro de Jill, soltando alguns feitiços e só. Uma das protagonistas que teve um crescimento muito interessante nos outros livros, eu esperava que Sydney mostrasse para todos que agora ela é a fodona da vez e mostrasse aos alquimistas que nem tudo o que é sobrenatural é maligno e repugnante.

Apesar das ressalvas, eu gostei do livro. Foi bom ler pela última vez e saber que Sydney e Adrian se fortaleceram no seu casamento e não deixaram cair no melodrama com os problemas e permaneceram juntos até o fim. Outro ponto interessante é as revelações que temos nesse livro, algo que autora sabe fazer muito bem e que me novamente me deixou com a cara no chão. Rose e Dimitri também estão presentes, meio apagadinhos mas estão ali dando suporte a história, embora eu não tenha livro Acadêmia de Vampiros  gostei muito de ver a relação deles no decorrer das histórias dos livros anteriores.

Embora Richelle Mead tenha dito que a série chegou ao fim, espero que algum dia volte a escrever nem que seja um conto sobre esses personagem que marcaram uma grande franquia que foi Acadêmia de Vampiros. Afinal vampiros sempre saem e voltam à moda não é mesmo?

NOTA:3/5

Já terminou de ser a série? Conte o que achou nos comentários! ❤

 

Conheça os outros livros:

Livro um – Laços de Sangue

Livro dois – Lírio Dourado

Livro três – Feitiço Azul

Livro quatro – Coração Ardente

Livro cinco – Sombras Prateadas

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter

Livros

20 Anos de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Depois de ser rejeitado por 12 editoras,  no dia 26 de junho de 1997 é lançado o primeiro da série Harry Potter: A Pedra Filosofal.

J.K. Rowling, que teve adotar esse nome abreviado pois segundo a sua editora : “se o livro fosse escrito por uma mulher não chamaria atenção para o público masculino”, passou por um divórcio, a perda da sua mãe e além de ter contar com ajuda do governo para poder sobreviver e sustentar sua primeira filha. Quem diria que em meio a tudo isso, Joanne Rowling iria se tornar uma das maiores escritoras de literatura infanto-juvenil, tendo mais de 400 milhões de cópias vendidas e sendo traduzido para mais de 70 países?

E quem diria que esta história de fantasia poderia chegar até as mãos de uma menina de 11 anos, com óculos de armação redondos e cabelos castanhos cheios, que mora no interior de Santa Catarina e que a fez ficar tão fascinada com a história que quase levou os seus pais a loucura para comprar os livros, ir ao cinema e comprar todos as coisas possíveis que saem sobre a série. Dona Jô conseguiu em meio esses anos, mudar a minha vida, deixando mais colorida com as histórias de Harry Potter e que hoje olhando para trás, não me arrependo de ter incomodado tanto os meus pais por isso!Foi a responsável por me ensinar a ler e amar os livros, graças a série pude conhecer várias histórias e personagens que acrescentam na minha formação como leitora.

Hoje J.K. Rowling é para mim um símbolo de determinação, uma mulher que passou por tanta coisa para chegar onde chegou e não deixou se dar por vencida, embora muitas vezes tenha pensando em desistir até da própria vida, conseguiu ir além do que ela mesmo esperava. Eu escrevo este post aqui, não como mais um post sobre Harry Potter, mas para lembrar a Dani que está aqui escrevendo e sentindo desmotivada e perdida, que a J.K entrou na sua vida  há um tempo atrás mostrando que sonhos não são impossíveis e embora ainda passe dementadores pelo caminho, ainda há esperança de dias melhores.

“Pode-se encontrar a felicidade mesmo nas horas mais sombrias se a pessoa se lembrar de acender a luz.” – Alvo Dumbledore

Redes Sociais:  FacebookInstagramTwitter